Khiva – Roteiro de 2 dias, Uzbequistão

Khiva é uma das três cidades clássicas do Uzbequistão e apesar de parecer um pouco remota quando observada num mapa deve ser visitada a todo o custo.

O seu centro histórico, rodeado por muralhas de dez metros de altura e conhecido como Itchan Kala, encontra-se na lista de locais Património Mundial da Humanidade da UNESCO no Uzbequistão.

Khiva teve um papel de grande destaque na Rota da Seda, sendo a última paragem das caravanas antes da dura travessia do deserto iraniano.

A Viagem até Khiva

É muito provável que o visitante de Khiva chegue através da cidade de Urgench, a cerca de 35 km e onde se encontra um aeroporto e a estação de comboios que pode ser usada para viajar desde Samarkand, Tashkent ou  Bukhara.

Uma vez em Urgench terá que se deslocar ao Bazar, próximo do estádio do Dynamo, de onde partem os táxis partilhados para Khiva. A passagem deverá custar 1.000 UZS mas como sempre as viaturas só partem quando estiverem cheias. À chegada a Khiva, será deixado junto ao portão norte da cidade antiga.

Dica: Bilhete único

No portão oeste da cidadela poderá adquirir um bilhete único que cobre a entrada na maioria dos locais acessíveis ao público e que é válido para dois dias. Custa 51.000 UZS (Cerca de 5 Euros) a que se adicionam 15.000 UZS (aproximadamente 1,50 Eur) para usar câmara.

As atracções que necessitam de um bilhete adicional têm uma pequena bilheteira junto à sua entrada.

Se não pensa em visitar o interior de nenhum edifício, poderá preferir entrar na cidadela através de outro dos seus portões.

O que ver e fazer em Khiva

Itchan Kala

Itchan Kala Khiva

Itchan Kala significa literalmente “no interior das muralhas” e é a cidadela de Khiva, o seu núcleo histórico, considerado Património Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Tem quatro portões, sendo o de oeste o mais popular e utilizado pelos turistas. Para além dos edifícios notáveis que se encontram no interior desta área, o visitante poderá simplesmente vaguear pelas ruas do Itchan Kala, observado detalhes e as pessoas que ali levam uma vida normal.

As muralhas que envolvem a cidadela são dignas de alguma atenção. Infelizmente já não se encontram completas, mas cerca de 2 km de muralha estão ainda intactos. Os muros têm entre 6 a 8 metros de altura e na base, com 2 m de espessura junto à base. Destruídos e reconstruídos inúmeras vezes, os muros são feitos de tijolo cozido ao sol, com alguns fragmentos a datar do século V.

O portão norte, também chamado de portão de Urgench, é utilizado para ligação com a rede de transportes da cidade; o portão leste localiza-se junto ao caravansarai e é o mais bem preservado dos quatro… imagine tudo o que aqui se passou… a sua estrutura usada como prisão, os escravos fugitivos que eram recapturados pregados pelas orelhas ao portão, as execuções públicas que aqui eram efectuadas. O portão sul é mais discreto, sendo basicamente usado apenas pelos moradores. Quanto ao portão ocidental, é o principal, sendo ali que se compra o bilhete para visitar a cidadela.

Palácio Tach Khaouli

Palácio Tach Khaouli

Este palácio encontra-se no interior da cidadela. O seu nome nome significa “Casa de Pedra” e foi mandado construir por Allah Kuli Khan entre 1832 e 1841, que mandou executar o primeiro arquitecto envolvido na obra por este não respeitar os prazos combinados.

O palácio tem uma planta rectangular, contendo mais de 150 quartos e nove pátios interiores. A parte norte, outrora a parte mais recatada do complexo, destinada ao harem de Allah Kuli Khan, está hoje aberta ao público e alberga uma série de lojas de recordações.

Na ala sul o visitante encontrará a sala do trono e uma intrincada série de salas que o manterão entretido por um bom bocado.

O interior do palácio é finamente decorado, especialmente com mosaico, e os pilares que sustentam partes das estruturas são de madeira talhada.

No início do século XX o palácio estava em mau estado de conservação, uma situação que se agravou nas décadas seguintes. A situação só melhorou após 1975, tendo o complexo sido sujeito a uma série de intervenções entre 1981 e 1996.

Minarete Kalta Minor

Minarete Kalta Minor Khiva

Este volumoso minarete foi mandado construir em 1851 por Mohammed Amin Khan tem um diâmetro especialmente amplo, e está totalmente revestido com mosaico.

O governante ambicionava ter um minarete tão alto que do seu topo conseguisse avistar Bukhara. Mesmo que tal fosse possível o seu sonho não se teria concretizado, pois faleceu quatro anos após o início dos trabalhos, que foram suspensos, deixando o minarete inacabado.

Ficou-se pelos 29 metros de altura. O projecto previa um minarete com 90 metros de altura. Mesmo assim é uma estrutura impressionante, cujas fundações se enterram no solo a uma profundidade de quase 15 metros.

Uma lenda diz que Mohammed Amin Khan soube das tentativas do governante de Bukhara de contratar o seu arquitecto responsável pela obra mas quando o mandou matar os assassinos já não o encontraram em Khiva.

Kuhna Ark

Kuhna Ark Khiva

Este palácio foi sede de governo e residência oficial do monarca, tendo sido inicialmente construído no século XII por Ok Shaykh Bobo e ampliado no século XVII. Encontra-se no interior da cidadela de Khiva, uma área considerada Património Mundial da Humanidade pela UNESCO.

O palácio inclui uma série de elementos visitáveis, como a antiga prisão, logo à entrada, onde existe uma pequena exposição de armas, grilhetas e ferramentas de tortura.  Para o lado direito encontrará a Mesquita de Verão, ricamente decorada e incluindo uma exposição de artefactos arqueológicos.

Na antiga oficina de cunhagem está instalado um museu dedicado precisamente às notas e moedas que foram produzidas no local. Um ponto sempre interessante é a sala do trono, onde o monarca procedia aos julgamentos dos casos mais graves.

Existe uma torre defensiva que se pode subir, em troca de um pequeno pagamento adicional, e do topo da qual se usufruem de vistas únicas.

Madraça de Islom Hoja e Museu de Artes Aplicadas

Madraca de Islom Hoja khiva

Esta madraça é o edifício religioso mais recente de Khiva, tendo sido construída em 1910 e hospedando actualmente o Museu de Artes Aplicadas, talvez o melhor museu da cidade.

Aqui encontrará o visitante uma vasta colecção composta por objectos de madeira talhada, tapeçaria, pedra gravada e painéis de mosaicos decorativos.

Junto à madraça existe um minarete que poderá não ter o arcabouço do minarete Kalta Minor, mas é mais alto. Na realidade, com 57 metros, é o minarete mais alto do Uzbequistão.

O complexo pode ser visitado todos os dias entre as 9:00 e as 18:00.

Mesquita Juma

Mesquita Juma

A Mesquita Juma ou Mesquita de Sexta-feira é a principal mesquita da congregação, aquela onde se reúne a comunidade no dia santo do Islão. No caso de Khiva vamos encontrar a Mesquita Juma mesmo no centro da cidadela. Foi construída no século XVIII, mas no local existiam já ruínas de uma mesquita mais antiga, mencionada nas crónicas do viajante Mohammed al-Magisi que por ali passou no século X.

É uma mesquita com poucos adornos arquitectónicos, que pouco além vão da talha nas 212 colunas em madeira, datadas do século XII ao século XV, que sustentam a estrutura.